5 de março de 2011

Passageiro




Observo a paisagem ruminar pelos meus olhos e acabo a descansar na minha inquietude. Plano na minha infante plenitude, quase que renunciando a capacidade de entender a lógica dos acontecimentos. Algumas verdades passam na minha frente com uma velocidade impressionante. As informações são rasantes e as imagens borradas. Pouco há o que se absorver. É uma luta infernal que travo comigo mesmo. É uma tentativa vã de tornar o que vejo perceptível aos olhos. As respostas são mais velozes que o meu entendimento. Rápidas demais para meus olhos enxergarem por completo, nos mínimos detalhes.

Sou criança diante do mundo ao redor, sou passageiro de um trem aparentemente desgovernado. Independente da idade que eu tenho ou tiver, o meu interior sempre será ingênuo, frente à vida. Sinto-me pequeno ante a magnitude das revelações; frágil, diante da imensidão macroscópica do que ocorre. As coisas não se elucidam com facilidade e, por serem soberbas, carecem de insinuações óbvias. Não tenho controle da maioria das coisas. Elas sucedem com proeza, trepidando suas armas, desferindo golpes doloridos, nocauteando minha saúde. Não adianta quão minha mente esteja sã, nem o quanto eu me esforce em responder. Debato-me nas dúvidas, como uma criança aprendendo a nadar.

Por vezes penso que posso mudar o caminho. Posso mudar minhas escolhas. Porém, sou passageiro, alguém conduzido pela mal traçada linha do destino. Acabo que quando me desvirtuo, sempre sou capturado novamente e colocado no meu lugar. Não é que a minha vida seja imutável, mas talvez ela seja realmente o que eu tenha desejado, ou sumariamente escolhido. Quem me captura novamente é o meu medo, o meu lado mais racional, aquele que não pretende mudar drasticamente minha rota. E talvez seja o que eu esteja necessitando, uma rota de fuga, uma maneira mais saudável de encontrar respostas; elucidações simples e perceptíveis, dentro da limitação da minha mente.

Preciso agir o mais rápido. Para que eu não me perca em ideias profundas e seja levado ao limbo das minhas ideologias. Não quero me acomodar neste sentido; ser saciado com fantasias que vez ou outra surgem para me ferir. Mesmo que eu não compreenda bem a alcance das lições, dos sentimentos que existem em mim, e de tudo o que acontece e fazem comigo, preciso aderir a determinadas atitudes, para que eu possa ver as outras e inúmeras possibilidades. Não quero estar preso a uma rota apenas. Quero mudar de estação, sair deste inverno que me persegue. Preciso de verão, de calor no coração, novas escolhas para que existam novas perspectivas. Quem sabe assim entendo a coerência dos fatos.

Preciso parar este trem. Infelizmente, ele segue apenas um caminho. E que não vai me levar para o lugar que eu quero. Pelo menos não onde me sentirei feliz. Obviamente, preciso me sentir leve. Apenas busco mais opções. Que a paisagem a se ver seja mais perceptível e consequentemente mais agradável. Quero poder entender a beleza do que passa por mim. Até mesmo compreender direito as agruras que tomam conta do meu ser. Não quero pairar num mar de certezas, nem mesmo numa imensidão de incertezas. Quero o equilíbrio. Quero continuar a ser viajante, mas ter a força necessária para ser guiado pelas próprias pernas e saber fazer uma escolha quando realmente for preciso. Mesmo que doa. Quero ser passageiro de mim. Quero apenas ser feliz.

 
 
  
 
Aspas do Autor: Algumas coisas acontecem, e eu fico sem ação, sem saber como reagir. A confusão precipita dentro do meu ser. Quero apenas aprender a confiar e a saber fazer as melhores escolhas. Para no futuro eu poder entender de forma satisfatória o que surge em mim. Bem, deixo aqui meu afeto. Um ótimo feriadão de carnaval a todos.

17 comentários:

  1. Às vezes nos sentimos completamente descarrilados, dá uma vontade de comprar um ticket de passagem de ida com volta indefinida, isso sim.
    Mas acho que entendi esse teu desejo de rota e nao de fuga, que é o de encontrar o caminho de realmente ser feliz, ou chegar perto disso.
    Com fé e paciência, acho que chegamos lá, ou seremos sempre passageiros da ilusão...

    Em Viena tem fasching e nao carnaval, nao é feriado e outras cositas como escrevi no meu post, mas obrigada e bom feriado pra tu tb.

    Deixo meu beijo Ale.
    Cris

    ResponderExcluir
  2. Fico perplexa como suas palavras conseguem o mais improvável, abrir nosso olhos de uma escuridao continua,que absorve nossas palavras....

    OTIMO CARNAVAL...BEIJJOOOOS VICK

    ResponderExcluir
  3. Você é show...texto brilhante amigo Ale...

    Te desejo um ótimo carnaval.
    abração.

    ResponderExcluir
  4. Oi, querido amigo? Perdi alguma coisa? Acho que sim, neh?

    Amo muito suas reflexões. nesse texto, iniciei pensando uma coisa e depois vi que você queria dizer outra.

    Acho que a vida, o destino são como uma correnteza e nadar contra ela, além de requerer muito esforço, traz uma enorme frustração, já que não somos nada, nem mesmo capazes de decidir nosso futuro (como muitaz vezes chegamos a pensar). Penso que o melhor que podemos desejar é sabedoria para seguir os planos de DEus, pois ele é a inteligência e bondade suprema e ninguém melhor pra raçar nosso destino. Não digo ser acomodado, mas sim aceitar com gratidão o que a vida dá e fazer o melhor possivel pra que cada dia seja uma dádiva.

    Grande abraço e obrigada pelo belo comentário!

    ResponderExcluir
  5. Alê, obrigada por sempre sempre um querido, viu? Saiba que sinto um carinho imenso por ti.

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  6. A vida é um grande trem a mil por hora, estamos sendo levados para todos os lugares ao mesmo tempo sem poder escolher muito para onde ir ou onde parar. Deveriamos ter mais controle da nossa vida do que temos, se é que temos algum.

    Amei o texto, como sempre é maravilhoso ser seus textos!
    Beijinhos e te adoro <3

    ResponderExcluir
  7. Querido, às vezes nos perdemos no meio da vida, sim! Mas essa confusão passa. Quando a poeira baixa, conseguimos encontrar todas as respostas. É quando nos calamos que nosso coração grita o caminho!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Bem... passageiro vc é... da vida... o que é mesmo que o trem desgovernado... a gente só tem que rezar para quando ele colidir... ser sem dor, né?
    Bem... enquando a colisão não acontece e o maquinista na morre... bora aproveitar a paisagem... afinal, a alegria é o ponto do meio entre dois dramas...

    que comentário mais down... vc não precisa disso... mas, como eu disse... to em ciclo seco...

    é a Lia está uma menina muito má!

    como não posso te deixar sorrisos.. te deixo beijos... não tão doces... mas, sinceros...

    ResponderExcluir
  9. A dúvida é tão cruel né? E a insegurança? Quer um conselho? Se joga no que você acha que é certo, depois se não servir, você pula fora. É bem fácil. Na teoria. Na prática é outra coisa, principalmente com a gente. Mas, tudo sairá as claras.

    ResponderExcluir
  10. Eu leio os seus textos e consigo entender todas as dúvidas, porque são as mesmas que eu tenha. Mas infelizmente, não consegui solucioná-las.

    ResponderExcluir
  11. Fazemos escolhas desde a hora que acordamos..escolher ser feliz é um ato de amor, é ser o protagonista da sua vida, é viver intensamente.
    Deixo com carinho pra vc:

    Somos donos de nossos atos,
    mas não donos de nossos sentimentos;
    Somos culpados pelo que fazemos,
    mas não somos culpados pelo que sentimos;
    Podemos prometer atos,
    mas não podemos prometer sentimentos...
    Atos sao pássaros engailoados,
    sentimentos são passaros em vôo.

    Mário Quintana

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi,ALF!Lendo esse post, tive a impressão de nos vermos como aqueles bonecos ventríloquos que são tão bem manipulados,parece que o sr Destino faz isso com a gente, as vezes temos a nítida impressão de estar no comando,mas tem vezes que parece que somos apenas marionetes sendo comandados pelo destio. A vida da gente as vezes muda da noite pro dia e nem dá tempo de acompanhar e entender tal mudança...
    Beijoss

    ResponderExcluir
  13. Somos todos passageiros do mesmo trem. Mas se existimos - a que será que se destina?

    ResponderExcluir
  14. Nessas horas de confusão é sentar e esperar a poeira baixar.
    clarear.

    ResponderExcluir
  15. Parece que este foi escrito para mim, haha. Quantas vezes me afundei em vários questionamentos como esses, quantas vezes gritei em busca de respostas que nunca apareceriam ou quis fugir para depois voltar para onde estava desde o começo.
    A vida da gente é uma confusão de trilhos e estações que nem sempre nos levam para onde desejamos, é algo muito maior do que um simples desejo nosso. Temos que aprender a conviver com certas coisas, brigar com outras para não nos acomodarmos e seguir em frente, sem saber para onde vamos.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Seja passageiro da vida! Acompanhe o rítmo e dance junto... Vai ser bom!

    beejos pra ti!

    ResponderExcluir

O compartilhar de emoções nos ensina bastante coisa. As palavras, aquelas extraídas do coração são regalos plenos de um real sentimento. E isto encanta. A forma verdadeira de se entregar nas ideias e a intensa maneira de expressar o sentir lá de dentro, é uma arte de profunda beleza. Desperte o seu sentimento aqui, e não hesite em demonstrar o que pensas, o que achas, o que sentes e o que amas. Sinta a leitura e me encontre nas palavras. Opine e eu te encontrarei. Esta troca é o que nos ajuda a conhecermos e aprender melhor, sobre a vida, sobre o ser humano e sobre as diferenças. Eu serei profundamente grato. Obrigado!