26 de dezembro de 2009

O fim da noite





O silêncio era um fim. Um fim que passava lentamente.


E foi isso que ele pensou. Andando solto pela calçada, tremendo de frio e com fome, ele sentia a dor aumentar na medida em que a temperatura do corpo diminuía. Ele arquejava sôfrego, e sentia-se fraco demais pra dizer algumas palavras. Não tinha mais força pra pedir socorro. Seu rosto demonstrava um pouco de pânico, mas tinha uma principal expressão de carência. Caminhando sem rumo, com apenas uma bermuda rasgada, sem camisa, ele procurava algo em que pudesse se esquentar. Mas o vento aumentava seu ritmo a cada segundo. E isso o enfraquecia mais. O lugar tava ermo, um pouco vazio, mas considerando sua situação não era perigosa. Quem iria machucá-lo? Ele conhecia os poucos marginais que rondavam a região. Tornara-se amigos de todos da redondeza, porém ao escolher não seguir os modos de vida deles, não o ajudavam em nada. Também não o maltratavam, com a condição dele não atrapalhar a “área” deles. Ele estava sozinho.

O menino ao passar numa lata de lixo, instintivamente revirou as coisas, para ver se encontrava algo de comer. Mas não teve sorte. Não tinha nada que ele pudesse mastigar. Além da fome profunda, o frio estava penetrante demais. Nem os becos ajudavam. Nem um espaço sequer das avenidas tinha calor suficiente. Era inverno, a pior época pra quem morava na rua. Ele andava pelas ruas com alguma esperança. Sempre que se via nessas noites caudalosamente gélidas, ele corria contra o tempo. Ao passar na frente de uma casa, ele olhou uma família ao redor da mesa, todas juntas, antes do jantar. Talvez naquele momento eles estivessem orando. Ele viu duas crianças, uma menina, toda rosada, linda, aparentando 6 anos, e um garoto, todo sorridente, mais novo que a menina, talvez 4 anos. Eles estavam abraçando o pai. Logo abraçaram a mãe. Era uma cena linda, mas ao mesmo tempo doída para ele testemunhar. Lágrimas se projetaram pelos seus olhos cansados, cheios de olheiras. Ele mais que ninguém desejava tanto estar ali no lugar de um deles, abraçando seu pai, sua mãe. Chorou silenciosamente, desejando tanto estar num conforto de uma casa, no seio de uma família. Queria ser amado, querido. Mas não era.

Seus pés fraquejaram com a emoção, e ele sentou na beira da calçada, tentando lembrar algo em relação a seus pais. Mas nada. Ele nem sabe como foi parar na rua direito. Ele sobrevivia com muita perseverança, mas com pouca alegria. Talvez a esperança que lhe dava força seria o sonho de um dia poder morar em uma casa, e ter o conforto de uma família. Ele desejava, com muita força que a “noite” da sua vida acabasse de vez, e ele pudesse ver e sentir finalmente a luz e o calor do sol. Ao pensar nisso, ele esboçou um meio sorriso esperançoso. Passou suas mãozinhas pelo rosto, pra enxugar as lágrimas e levantou. No momento em que estava voltando a andar, ele foi percebendo a mudança na escuridão, e sentindo uma leve iluminação vinda do horizonte, pronta para clarear a cidade. Ele nem percebeu, mas tinha ficado horas ali na calçada, chorando e sonhando. Em cerca de poucos minutos, ele foi vendo magistralmente o sol surgir resplandecente no céu, tornando a noite, dia de novo, e enchendo de calor seu corpo. Ele abriu um largo sorriso, como se tivesse acabado de receber o maior presente de toda a sua vida. E era mesmo. Era sempre assim, todo dia, quando o sol nascia. É como se a tristeza e o frio da noite, não tivesse existido, e apenas a felicidade do dia, vinda da luz e calor do sol o contagiasse por completo.

Foi o fim de mais uma noite. Talvez não o fim da “noite” de sua vida, mas um pedaço dela. Por que enquanto houver um sol pra ele vislumbrar todo dia, ele jamais perderia a fé e esperança por uma vida feliz, sem dores, sem fome, sem frio, e com uma família, uma casa.



Aspas do autor: Talvez possamos fugir de muitas coisas, mas é impossível que uma dessas seja a realidade. É cruel. Mais ainda se houver indiferença. O quanto existem crianças de rua, desamparadas, precisando de algum carinho, de uma família? Penso em quantas noites de frio elas têm que suportar. É triste. Às vezes nos sentimos impotentes. E são realidades assim, tão globais que nos fazem sentir assim. Um pouco que a gente faz é suficiente. Vamos fazer. É nessa esperança que me despeço de um ano, que para mim foi imensamente maravilhoso. Um ano com poucas conquistas, mas equilibrado dentro dos desafios que precisei enfrentar. O término da faculdade foi o principal foco de 2009. E encarei isso com tanta seriedade, que o fiz pra coroar um ano bonito. Agora inicio 2010 com o título de bacharel em turismo. E isso é apenas o início de um longo “romance” com essa área tão fascinante: turismo. Bem, desejo a todos um feliz ano novo, com muitas realizações. Meu carinho.

6 comentários:

  1. Que lindo,e triste ao mesmo tempo!

    Depois vai lá em casa e lê o meu comentário depois do teu.


    Bjo tbm te adoro

    ResponderExcluir
  2. Essa é a dura realidade que assombra (ainda) nosso país!
    Lindo texto...!
    Um feliz ano novo!
    ;*

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Ale... Esse fois o post de fim de ano mais triste que eu li!
    E justamente por é tão verdadeiro que dá vontade da gente estapear! o_O

    No maia, feliz 2010 - inda mais com o titul ode bacharel em turismo - quem diria heim?
    Parabéns e boas festas

    Bjo enorme querido!
    ;-)

    ResponderExcluir
  4. Um 2010 muito feliz à vc e aos seus.ALF.

    Abração!

    ResponderExcluir
  5. que teu 2010 não seja apenas de "recomeços", mas de começos e com grandes realizações (em ambos os casos, aliás). tudo de bom para ti no próximo ano e adiante! beijo grande!

    ResponderExcluir
  6. É uma realidade cruel, muito bem retratada por você, Alf!
    Mas não devemos nos abater e, em 2010, desejo que você faça muito turismo pelo mundo!
    Aquele abraço!

    ResponderExcluir

O compartilhar de emoções nos ensina bastante coisa. As palavras, aquelas extraídas do coração são regalos plenos de um real sentimento. E isto encanta. A forma verdadeira de se entregar nas ideias e a intensa maneira de expressar o sentir lá de dentro, é uma arte de profunda beleza. Desperte o seu sentimento aqui, e não hesite em demonstrar o que pensas, o que achas, o que sentes e o que amas. Sinta a leitura e me encontre nas palavras. Opine e eu te encontrarei. Esta troca é o que nos ajuda a conhecermos e aprender melhor, sobre a vida, sobre o ser humano e sobre as diferenças. Eu serei profundamente grato. Obrigado!