21 de setembro de 2013

Poética involuntária




“De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.” [...]
Poética - Vinícius de Moraes


Escrevo por vezes, sobre nuances que não me cabem nos olhos e mal se encaixam na minha inocente meninice. Sou elevado pelo sabor de um vento que trepida minha pele com um afeto aprazível e aconchegante, tão afetuoso que me abranda com carinho. É este sopro que me traz o que não sei. Meus dedos assumem o controle, transcrevendo momentos que escapam ao meu humano entendimento. Só sei que às vezes falo sobre sentimentos pelos quais mal senti na minha vida, sobre fatos que sequer tive oportunidade de presenciar ou viver.

Meu peito é coberto com esses invólucros sensoriais, capazes de, no íntimo, precipitar sentimentos nunca antes assimilados, momentos jamais vivenciados. Torno-me possuidor de tesouros alheios a mim, de delicadezas que fogem da minha compreensão, do meu estado pueril e finito. Essa condição transaciona meu ser a um deslumbramento sem igual. Muito embora, é esse acalanto que entrincheira minha alma numa insuspeita osmose, numa forma curiosa – e involuntária – de colher encantos desconhecidos. Capto na distância, no limbo em mim, num abraço furtivo do mundo.

Cresço e decresço diante de adereços que circulam pelo meu coração de forma quase indescritível, numa presença invisível, mas sentida por mim. Sinto-as e traduzo, reitero-as numa franca confissão, em palavras muitas vezes ignoradas por mim, em construções literárias que vão além do que eu posso alcançar ou explicar. Sou porta-voz de olhares nunca vistos, de sentimentos nunca germinados e perpetrados nas vielas humanas. Padeço numa intromissão poética que me seduz com demasiada inspiração, pousando suave seu encanto nas minhas pétalas.

Inundo-me com uma poética que adentra sem pedir permissão, visitando-me à distância sem que haja o toque com o meu universo. Amor que rodeia e me abrange. E capto. Mergulho. Num segundo me abundo em uma nascença inconsciente, num mar de encantos que por vezes trespassa a fronteira do meu tatear, do meu fino e suave passo. Sou acalentado com a poesia do amor, de todo um afeto que adorna o ambiente ao redor. Sem explicar, sem entender, me torno mensageiro sem saber o teor do conteúdo. Sou poeta voluntário, numa involuntária inspiração, numa nascença que transcende o meu coração e quaisquer escolhas. Nasci sem saber. Exalo sem querer. Sou porque a vida me fez.



Aspas do Autor: Sou sujeito de um ato que se transcende. Porta-voz de um amor que, por vezes, mal sei explicar, mas inteiramente sinto-o em mim. A poética me alinha. Deixei de entender. Porque não dá. O importante é que sou.

15 comentários:

  1. "[...] Pra quem mora na palavra
    não existe casa sem poesia."
    (Priscila Rôde)

    Alê, a palavra mora no seu olhar.
    Suas mãos escrevem o que se derrama do seu coração de homem-sensível, seu coração de poeta.

    Escrever, é antes de qualquer coisa, a arte de aprender a olhar, ainda que de olhos fechados.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  2. Como sempre um belo texto, adorei muitos dos quotes no texto, mas duas palavras juntas me chamaram muito atenção "cresço e descrevo" acho que vive acontecendo isso comigo, e com muitos.
    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Escrever é viver com a alma fora do corpo, por isso nos é permitido sentir e ver através de olhos, que podem ou não ser nossos.

    Bom sua visita! Volte sempre ao Pratododia!

    Ana

    ResponderExcluir
  4. Gosto de encontrar blogs em que homens escrevem, gostei da forma como organiza as palavras

    ResponderExcluir
  5. Oi,ALF!Belo texto como sempre é escrever é algo mágico a inspiração surge do nada as palavras simplesmente vem a tona sem muito porquê ou explicação elas simplesmente surgem do nada.
    Uma ótima semana!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  6. Sempre me deixando sem palavras ♥
    Lindíssimo.
    Não tem nada mais bonito e especial do que escrever bem, saber escrever, e gostar disso.
    http://denovomaisumavez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. O segredo de quem escreve poesias é esse. Sentir o que nunca sentir, viver o que nunca viveu e passar isso pro papel da maneira mais linda possível.
    Você é porque o seu coração te faz.

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. É essa a magia da inspiração, nos fazer viver aquilo que não viveniciamos, aquilo que projetamos na escrita viver no futuro próximo. ou quem sabe afinar com ternura aquilo que já se viveu, mas com a delicadeza moldada vistas pelos olhos da inspiração. bjos.

    ResponderExcluir
  9. Oie...
    Tudo bom?
    Que texto lindo... *-* Amei...

    Adorei seu blog... Já estou seguindo...
    Depois dá uma passadinha no meu cantinho para conhecer e se puder segui-lo ficarei muito grata...
    Beijos

    Relíquias da Lylu =D
    http://reliquiasdalylu.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Que lindo! Acho que Caras que escrevem deveriam ter um valor enorme. muito perfeito.
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá Alexandre
    Estou conhecendo seu blog agora e adorando a forma como escreve. Gosto de pessoas que sabem usar as palavras e escrever belas poesias. Parabéns.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. O que basta é ser. E se você nasceu sendo, que dom. ♥

    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Muito bonita a forma que você escreve, parece que as palavras combinam com você. :*

    ResponderExcluir
  14. Eu cheguei! Mas não tive como ler tudo isso.

    As vezes a gente que faz a vida!1

    beijos

    Volto depois com mais calma

    ResponderExcluir
  15. Oi, querido Alexandre!

    Obrigada por tuas palavras tão carinhosas e sinceras lá no meu blog.

    Li teu texto mais recente, sobre partilha e doação, mas não encontrei o link dos comentários. Não sei se faz parte do teu livro ou não, esse texto. Achei estranho. Tens essa opção fechada, agora?

    Beijos.

    ResponderExcluir

O compartilhar de emoções nos ensina bastante coisa. As palavras, aquelas extraídas do coração são regalos plenos de um real sentimento. E isto encanta. A forma verdadeira de se entregar nas ideias e a intensa maneira de expressar o sentir lá de dentro, é uma arte de profunda beleza. Desperte o seu sentimento aqui, e não hesite em demonstrar o que pensas, o que achas, o que sentes e o que amas. Sinta a leitura e me encontre nas palavras. Opine e eu te encontrarei. Esta troca é o que nos ajuda a conhecermos e aprender melhor, sobre a vida, sobre o ser humano e sobre as diferenças. Eu serei profundamente grato. Obrigado!