7 de setembro de 2013

Inspiração




Ele tresloucava os olhos pelos redutos do ambiente, investigando os encantos solenes e ocultos pelas mazelas do dia a dia. Seu olhar desencaixava peças opacas da paisagem, desobstruindo sentimentos arraigados com a aspereza de toques e passos frios. Este curioso personagem apenas surrupiava os detalhes e vestia sua crença nas cores que, bonitas, enfeitavam o mundo. Ele queria (se) inspirar.

No seu olhar o belo pousava, o mel da poesia desaguava com uma rija vontade, sequestrando a tristeza e adejando maravilhas provocadas pela firmeza em crer, em manter a fé pelo sorriso, pela emoção sincera e espontânea das poucas almas que delineavam a mesma busca. Ele voava ao se mesclar pelos quatro cantos. Ele se inspirava para inspirar, ele se fazia poesia para morar na rima das alegrias. Era sorrateiro e arredio, um amante de lindezas singulares.

Seu colo guardava tesouros. Sua alma colhia magia no esvoaçar preciso e sensível de sua alma tão carente de sonhos e olhares transparentes. Seu coração se instalava silenciosamente no peito de cada um que o acompanhava nesta preciosa caça por leveza e bem estar. Ele arrematava seu abraço delicado, seu jeito doce e sua presença acolhedora pelas vielas menos prováveis, mas nos cantos mais abundantes de poesia e amor.

Seu sorriso trepidava as nuances do vento, remexia com o equilíbrio ao redor, gerando sentimentos novos, ideologias e valores pouco conhecidos. Era do seio do mundo que ele extraía joias preciosas. Era do colo das pessoas que ele se mantinha vivo. Ele se alimentava de tudo o que via. E quem o via se fortalecia. Ao redor ele buscava o sentido da poesia. E até no menor ele preenchia os olhos, retumbantes em esperança.

Era pura inspiração, pura melodia composta por semblantes esperançosos, oriundos dessa capacidade humana de atravessar as barreiras do limitado, para encontrar um motivo que seja pra sorrir, para dar sentido à vida. Sua existência insuflava com as procuras, com as escapadelas que certos corações faziam para adentrar em seu mundo tão adornado com beleza incomparável. Ele vivia porque uma parcela do mundo vivia nele. E dele extraíam paz.

Às vezes ele fugia... Mas sempre voltava. Belo e exultante em aconchego. Como agora. Como sempre. Inspiração, ente que se enlaça em tudo, sobretudo nas pessoas. O mundo o enriquecia, mas as pessoas coloriam sua pele. Porque seu coração é bombeado por esperança provinda de outros corações. Ele se afugentava nos detalhes poéticos do mundo, mas com um único intuito: o de também ser encontrado. Ele assim é porque o procuram. Ele assim é porque todos são. Inspiração.



Aspas do Autor: Finalmente de volta à ativa. Depois de um tempo me dedicando ao livro e outros assuntos pessoais e profissionais, retorno triunfante ao meu site. E retorno com bastante coisa boa. Como o nome desse conto já diz: trouxe junto bastante inspiração! É isso aí. De volta ao ritmo normal. As palavras querem se mostrar mais belas do que antes. Em relação ao meu livro, se quiser obter maiores informações ou adquirir, as orientações está na página do livro nesse site. Abraços!

8 comentários:

  1. Das pautas que a inspiração nos aplaca e nos detém.
    Abraço poeta!

    ResponderExcluir
  2. Alê, que a inspiração lhe abrace com todas as forças, a todo instante!!!

    Um abraço meu.

    ResponderExcluir
  3. Como não se inspirar com um texto tão inspirador?

    Ele se afugentava nos detalhes poéticos do mundo, mas com um único intuito: o de também ser encontrado..


    LIN-DO!


    Beijinho,
    MF

    ResponderExcluir
  4. E ele chama-se: Alexandre. Com toda poesia transbordante, encantadora e contagiante. É maravilhoso ver-te de volta por aqui com suas belezas que alegram e encantam.

    Grande beijo.
    eraoutravezamor.blogspot.com
    semprovas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. E inspiração é o que não falta em ti Alê.
    Texto delicioso, inspirador.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Inspiração, ás vezes, perto, ás longe, mas quando vem... É um banho!


    Beijos
    http://manuellamontesanto.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Quisera eu ser tão inspirada quanto a sua inspiração.

    Belo texto, Ale. Não é a toa que esta conseguindo realizar todos os seus sonhos inspirados e pirados na tua imaginação.


    Um belo sábado proce

    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Fico "doida varrida" com o conteúdo de teus textos, Alexandre.

    Já tinha lido esse, e acredita que nem tive palavras, À ALTURA, para comentar aquilo que tu escreveste.

    Que riqueza e certeza de pormenores e sentires!

    Como és meticuloso, doce e precioso!

    Tudo o que está à tua volta te "sacode", te inebria, te dá inspiração e TE ALIVIA.

    Tu absorves o mundo na palma de uma mão, amanheces, endureces e, por minutos, "enlouqueces", quando escreves.

    E É NESSES INTANTES EM QUE TE DÁS, QUE TUA INSPIRAÇÃO ATINGE O CLÍMAX.

    Agradeço tuas gentis palavras em meu blog. Já tinha saudade da sensualidade delas e desse fulgor, tão teu, porqu também eu gosto de histórias como aquela que tu leste, e sobretudo, porque parte dela se passou comigo mesma.

    FOI VERDADE COM INTENSIDADE.

    Bom domingo.

    Beijos da Luz, com muito carinho e afeto

    PS: sei que tens um poema na tua mais recente postagem, que comentarei, posteriormente.

    Quero, ainda hoje, postar no "Luzes e Luares". Vamos ver, se se consigo.

    ResponderExcluir

O compartilhar de emoções nos ensina bastante coisa. As palavras, aquelas extraídas do coração são regalos plenos de um real sentimento. E isto encanta. A forma verdadeira de se entregar nas ideias e a intensa maneira de expressar o sentir lá de dentro, é uma arte de profunda beleza. Desperte o seu sentimento aqui, e não hesite em demonstrar o que pensas, o que achas, o que sentes e o que amas. Sinta a leitura e me encontre nas palavras. Opine e eu te encontrarei. Esta troca é o que nos ajuda a conhecermos e aprender melhor, sobre a vida, sobre o ser humano e sobre as diferenças. Eu serei profundamente grato. Obrigado!