26 de março de 2011

O semeador




Em um singular vilarejo vivia um humilde senhor. Tinha um semblante sereno e ostentava uma imensa alegria, uma grande paz interior e um vigor admirável. Ele acordava e levantava muito cedo, antes do sol raiar, e sempre ficava a cuidar de seu jardim, do imenso quintal que cercava sua casa. Era o quintal mais lindo da vizinhança, o mais florido, o que mais continha frutos. Chamava a atenção por sua frondosa beleza, seu brilho e sua vida. Definitivamente ele enchia os olhos de quem passava à sua frente. Muitos paravam e ficavam a admirar o jardim, como que encantados pelo frescor belo das cores.

Após a companhia com seu belo jardim, ele saía de casa com um saquinho marrom cheio de sementes, e ia a cada dia mais distante de sua morada. E ele então parava em todos os quintais que fosse preciso, e começava a plantar suas sementes. Fazia carinhosamente mesmo sem a permissão dos donos do terreno, e fazia-o com muita alegria. Muitos reclamavam e desfaziam seu trabalho, mas ele não se abalava, porque existiam sempre algumas pessoas que não se importavam e gostavam de sua ação. E no fim da noite retornava à sua casa para descanso. Fazia isso todos os dias, com uma alegria invejável, e uma satisfação inigualável. Mas ele apenas plantava, não retornava para cuidar, deixava essa função pra quem era dono do quintal. O tempo passava e os quintais em que ele visitava não demonstravam florescer, ou dar um sinal de vida. Ficava resignado, mas também muito alegre quando ele percebia alguns, mesmo poucos, mostrarem força e brilho.

Uma criança que morava na frente de sua casa começou inocentemente a notar sua rotina, de cuidar do jardim, em visitar a vizinhança plantando sementes nos respectivos quintais. Criou simpatia por ele, e ficava a observá-lo todo dia intriga-do e curioso. E foi assim durante muito tempo. Essa criança crescia e notava que muitos quintais não floresciam, e que muitos não gostavam que ele plantasse suas sementes. Mas notava que uns aceitavam e cuidavam com carinho e amor. Certo dia ele criou coragem e decidiu ir até o senhor. O senhor estava concentrado cuidando de suas flores quando notou sua presença. E com um olhar amável e muito acolhedor o instigou a falar. O garoto então perguntou:
- Por que o senhor todo dia sai pra plantar sementes nas casas dos outros, sendo que a maioria não gosta, não cuida, e pouco se importa? Os jardins não ficam como o seu, e mesmo assim o senhor continua alegre. Não entendo. O senhor não acha que está sendo tudo em vão?
O senhor, continuando com sua alegria habitual, tão visível no rosto, abriu um largo sorriso e disse calmamente para o garoto:
- Meu jovem, observe esta flor. Diga-me, se eu deixar de cuidar dela o que acontecerá?
- Ela morrerá.
- Sim.
O garoto fitou-o.
- Se ela é responsabilidade minha e eu deixar de cuidar, ela morrerá. Se esse jardim é responsabilidade minha, um pedaço meu, ele morrerá junto comigo. E a questão é essa. Eu me torno responsável pelo meu jardim. Apenas eu é que posso torná-la especial e bela.

O garoto continuou sem compreender a profundidade da lição.
- Meu jovem, um dia você entenderá e saberá que não faço em vão. Planto as se-mentes de coração, e faço com alegria. Poderia não fazer, mas apenas planto-as na morada de cada pessoa, para que elas possam compreender e sintam-se motivadas a florescer o quintal da sua casa. Cabe a cada um cuidar e regá-las. Cada um é responsável pelo seu jardim. E continuou:
- Se dentre tantas pessoas apenas uma entender, e, assim então, começar a cuidar do seu jardim, meu trabalho não terá sido em vão. E lembre-se sempre, você é quem deve cuidar do seu jardim. E se puder, semeie também.
Deu uma piscadela pra ele, e continuou cuidando das belas flores. E assim o garoto se despediu dele, pensando muito sobre o que ele falou.

O garoto cresceu, mudou de cidade e jamais se encontrou com o senhor. Ele pas-sou a vida inteira com aquelas palavras na mente, jamais consegui esquecê-las. Viveu uma vida feliz, alegre, e se tornou um ser humano muito admirável. Depois de muito tempo, ele retornou ao vilarejo ao qual ele vivera, que já tinha crescido bastante por sinal. Foi de encontrou à residência daquele senhor, e novamente se deparou com a beleza do jardim de sua morada. Mas ele já não morava lá, e ninguém mais. Soube que ele morrera anos antes. Ainda surpreso com a vivacidade das plantas, que ainda sobrevivem, ficou triste a olhar as belas flores que ali decoravam o jardim. Entendeu que o jardim dele foi tão bem cuidado que a natureza agora cuidaria dali pra sempre. E continuaria sempre frondosa, com exorbitante majestade. E aquele senhor jamais morreria de verdade. Estaria sempre ali em cada semente, em cada planta, em cada flor, da qual ele plantou e sempre cuidou.

Ficou novamente sensibilizado ao lembrar do velho amigo.
- Não foi em vão meu amigo. Compreendi depois de muito tempo. Daquele mo-mento em diante eu tratei a cuidar do meu jardim sim. Obrigado por ter plantado uma semente no meu coração.

E numa exclamação súbita:
- Vou semear também!

Então, esboçou um sorriso e saiu caminhando feliz.





Aspas do Autor: Não somos capazes de cuidar do jardim dos outros. Mas podemos semear, e mostrar para as pessoas que elas podem se tornar especiais, belas e inigualáveis. Basta que ela enxergue o poder que tem nas próprias mãos. Cada um é responsável pelo jardim da sua alma, e por meios próprios se tornar um ser humano digno e admirável. Uma ótima semana para todos!

15 comentários:

  1. Oi,Alf!Nossa isso era tudo o uqe eu estava precisando ouvir nessa manhã de domingo preciso cuidar melhor do meu jardim,ele anda muito mal cuidado...
    Beijos e um ótimo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Alexandre,
    Contagiante. O Jardim não morre se transforma. Deixo pra você:

    Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam vôo como de um alçapão.
    Eles não têm pouso nem porto;
    alimentam-se um instante em cada
    par de mãos e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias, no maravilhado espanto de saberes que o alimento deles já estava em ti...(Mário Quintana)

    Um beijo no seu ♥ e uma semana cheia de flores.

    ResponderExcluir
  3. PS: Não deixe seu coração doer. O sofrimento é opção. Suas lagrimas não deixarão ver o sol brilhar.
    Seja feliz, você merece,

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. É a tal da corrente do bem né, Alê! Aquela atitude positiva perante a vida e o próximo, capaz de mudar as atitudes dele também! Acho que é aí que reside a beleza dos relacionamentos - nessa capacidade de persuadir e influenciar para as boas coisas desse mundo!

    Beijos, querido!
    Boa semana!

    ResponderExcluir
  5. Um belo texto para refletir sobre a nossa vida, se estamos fazendo isso, se estamos cuidado bem de nós.
    Ninguém é responsavel pelos seus atos, cada um sabe o que faz e tentar ajudar o proximo é uma tarefa muito generosa, basta que o outro seja esperto o suficiente pra aderir a ajuda.
    Estamos aqui para ser transformados, lembrados por aqueles que realmente fizeram diferença na nossa vida e são eles poucos, mas o suficiente para manter sempre a chama acesa.

    AMEEEI *-*
    Saudades daqui esses dias que não vim ): Beijinhos, se cuida s2

    ResponderExcluir
  6. LINDO ,LINDO TEXTO,PARABENS O BEM EXALA DESTE BLOG, ESTAREMOS SEMPRE JUNTOS NESTES DIAS TÃO ESTRANHOS AXALTAR O BEM É SEMPRE IMPORTANTE INDEPENDENTE DE RELIGIÃO, MUITA APZ.

    VISITE-NOS

    WWW.CASAESPIRITADRP.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  7. Que bela lição você nos mostrou aqui (:

    ResponderExcluir
  8. Semeando sentimentos em vastos terrenos-corações, colhemos a felicidade.

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  9. Nossa Ale, que lindo!
    Esse jardineiro foi fiel até o fim, e você nos mostrou além vida o quanto nosso poder de persuasão é importante, discretamente, e nao desistindo nunca.

    Bom fim de semana querido, beijos!

    ResponderExcluir
  10. Estava precisando ler algo que desse uma elevada na minha auto-estima. Quando terminei de ler o texto, até senti um alívio no coração.

    ResponderExcluir
  11. Muitooo tempo não vinha aqui ...
    Não li seu texto,desculpa !!
    Mas volto , quando der (correria)

    ResponderExcluir
  12. Querido Alexandre, que lindissima lição...


    o que te dizer?

    Vc esta plantando sementes por aqui, vou semear tbm!

    =)

    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Aquela coisa que de pouquinho e pouquinho a gente consegue fazer alguma diferença, principalmente, numa mudança em nós.

    ResponderExcluir
  14. Qeu seja... A semente!

    Muito bom ler-te!
    Beejão

    ResponderExcluir

O compartilhar de emoções nos ensina bastante coisa. As palavras, aquelas extraídas do coração são regalos plenos de um real sentimento. E isto encanta. A forma verdadeira de se entregar nas ideias e a intensa maneira de expressar o sentir lá de dentro, é uma arte de profunda beleza. Desperte o seu sentimento aqui, e não hesite em demonstrar o que pensas, o que achas, o que sentes e o que amas. Sinta a leitura e me encontre nas palavras. Opine e eu te encontrarei. Esta troca é o que nos ajuda a conhecermos e aprender melhor, sobre a vida, sobre o ser humano e sobre as diferenças. Eu serei profundamente grato. Obrigado!