Latente

27/03/2010




Foi assim, lágrima e torpor
Lírica canção que terminou
Fervor crítico de amor
Na dor se propagou.

Um sonho que acabou
Sem amor, abrasador
Latente no intenso fervor
Na dor que se dissipou.

Idílica vida que se apagou
Retalhos de vida sem clamor
Só o que resta é rancor
Dor que o coração tornou.

Uma dor que não é física
Trancafia a alma no fundo
Não fica óbvia a mordida
Dor latente para o mundo.

O olhar se fecha no céu
O peso encosta ao léu
É latente, intensa comoção
Dor singular no coração.

Não é dor física, nem emoção
É um sopro frio no ar
Sentir não há como não
No interior, um forte abalar.

Aconchego solitário
Ímpeto anseio de sorrir
Na intrínseca esperança
De novamente fulgir.






Aspas do Autor: Um poema sobre dor. Daquela dor que se instala lá no mais fundo de cada um de nós. E que apesar do corpo não extrair fisicamente, no íntimo podemos ficar destroçados. É o ânimo que diminui, a tristeza que aumenta. Quem nunca se sentiu assim, acuado? Enfim. Escrevi sobre esse tema porque participei de uma brincadeira (iniciada no blog da Laís) e a querida Júlia (que me sorteou), me propôs esse tema. Bem, deixo aqui meu afeto. A quem vem sempre, a quem vem de passagem, a quem eu amo. À todos. Até o próximo sábado.

29 comentários:

Lia Araújo disse...

A dor... como fugir dela? mas, a beleza é evidente... e seu poema é um exemplo, doce, lindo e doloroso!

bjos
Até o próximo sábado!
:)
Boa semana pra ti!

bjos Alexandre!

Gabi disse...

a parte boa de qualquer dor, de qualquer coisa na verdade, é que vai passar.

Carol Rodrigues disse...

Que lindoooooooo

Carol Rodrigues disse...

Ja disse q não sei escrever poemas?

Nathy disse...

Nossa, que lindo! Parabéns pelo talento.

Poemas e Cotidiano disse...

Muito lindo, meu querido!
Uma dor calada, sentida, sofrida, um pouco nao definida, mesmo explicada.
Uma dor calada, gritada, sufocada,
nao muito entendida.
Beijos com amor desta que te adora!
MARY

Admin disse...

Muito bom poema, falndo sobre o conto, vai voltar sim na quarta sem falta...

Juliana Pires de Sousa disse...

As dores da alma são sem dúvida muito maiores que qualquer dor física.

Beijos

Jana disse...

O bom da dor física é que passando um remedinho, ela diminui até cessar, mas essas dores na alma... ai, Cristo! São terríveis. Elas nos jogam pra baixo, tiram nossas forças, ânimo, vontade de viver.
Adorei você ter feito um poema, acho difícil passar minha idéias nessa "estética", admiro quem consegue.

Beijinho, querido. ^^

NUMEROLOGIA E PROSPERIDADE disse...

Boa tarde.
Bela poesia, lindo jogo de palavras. parabéns.
Passando para dar uma espiada nas novidades e para me desculpar da ausência - estou sem computador, dependendo de lanhouse, coisa que detesto fazer.
Então, já preparou a sua pegadinha? O dia 1º de abril está chegando.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma boa semana para você.
Beijo grande.
Saudações Educacionais !
http://www.silnunesprof.blogspot.com

Nina Vieira disse...

Meu amigo, você está na fossa e que vontade a que eu tenho de cuidar de você.
Quer conversar?
Você adora prosear comigo, mas às vezes penso que não confia muito em mim. No te julgo. Eu mesma nao sei ser reciproca.
Beijos.

Admin disse...

Adiantei o conto DA UMA OLHADA LÁ TA MUITO PICANTE...

Unknown disse...

Muito sensível...
Transformar a dor em algo tão lindo como o seu poema...

Amei ^^

Adoro estar por aqui, me encantando com tão lindos textos seus...

Beijos

May
:)

Michele disse...

Alê, sei exatamente dessa dor! Senti-a em dezembro, quando perdi meu bebê (estava grávida de 08 semanas). É um sentimento que nos torna vazios. Eu me sentia oca por dentro. Por um tempo, perdi meu brilho, não pude sorrir. Precisei de muita ajuda para voltar a caminhar com esperanças e já pensando que na próxima gestação tudo correrá bem. Ter esperança, ter amigos, família, um amor ao lado ajuda muito nesses momentos, quando a dor grita alto ao ponto de nos fazer calar! O blog fez parte desse meu processo de "cura"! :)

Um beijo, amigo!

CASSIANE SCHMIDT disse...

Lindo poema! tocante. Gostei muito daqui, volto outras vezes!
,

Abraços

Ju Fuzetto disse...

Amigo, Parabéns você arrasa como sempre...

Suas poesias são leves, ternas...

Tenha uma semana maravilhosa!!

Beijo e Feliz Páscoa!!!

Luck! disse...

o melhor exemplo de solidão é...
ter manteiga e não ter pão!
=x

Monique Premazzi disse...

Que lindo poema, amei suas palavras.

Bill Falcão disse...

Essa dor interna e subjetiva é a que mais incomoda, Alf!
Aquele abraço!

Anônimo disse...

Adorei o texto, adorei teu blog.
Parabéns, intensamente perfeito!


beijos.

Anônimo disse...

Muito obrigada pelo seu comentário lá no meu blog! eu achei demaiiiiiiiis

Você escreve muito bem!
Beijos

Carolina disse...

a parte boa de qualquer dor, de qualquer coisa na verdade, é que vai passar. [2]
e quando passa, aquela sensação de alívio acaba nos fazendo pereber que nem doeu tanto assim.
Um beijo

Laís Dourado disse...

Meu pedacinho preferido é esse aqui: Não fica óbvia a mordida
Dor latente para o mundo

mente sã, corpo são. Então, o inverso é verdadeiro.
Dor na alma acaba virando dor física, o que é pior, por que o 'remédio' é mais dificil!

Adorei que nossa brincadeira deu certo, achei que escolheram um tema ótimo pra ti! =))

Esyath disse...

ALF,

finalmente consegui encontrar um tempo de passar por aqui... E sabe aquele ditado que diz que "tudo acontece no momento certo"? Pois bem... Não poderia haver melhor momento, porque me deparei com versos que realmente traduziram tudo aquilo que muitas vezes fica reprimido dentro de nós, meros mortais... E que por vezes, tolos que somos, preferimos ignorar...
As vezes eu tenho impressão de que uma dor física é melhor que uma dor sentimental... Porque a física, em geral, sabemos que passará, temos como ir a um médico para que nos trate... E por mais que a dor física possa beirar a insuportabilidade, sabemos que em breve ficaremos bem... Podemos fazer algo rápido, como nos medicarmos, nos internamos em algum hospital... Para nos curarmos...
Mas a dor da alma... Essa é infeliz. Essa mesmo quando nos esforçamos para curá-la, muitas vezes nos persegue por anos a fio... É algo que mesmo quando está soterrado, continua a existir, e para morrer, nem sempre depende de nossa escolha... É uma coisa silenciosa, traiçoeira, mas que aos poucos se entranha em você de uma maneira... Que acaba matando um pouco você por dentro... E aí você acaba ficando entorpecido, viciado e muitas vezes só consegue se livrar dela com muita, muita ajuda, e muita, muita, disposição....

Beijos (Des)conexos!

Ni ... disse...

A dor faz parte da existencia e, de certa forma, acaba coroando os momentos felizes e intensos...

Beijos daqui prai!

Jane disse...

Hummmmmmmmm, conheço essa dor tb. Mas a que mais sinto é aquela que dói de verdade. Bem no peito...

Um maravilhoso feriadão pra vc meu querido Alê.

bjusssssssssss

Anônimo disse...

Adorei o poema!

To adoraaando o curso, bem que vc falou, to gostando mt mt

Paulinha disse...

Você conseguiu transformar a dor em algo belo... lindo!


Beeijo

Rebeca Amaral disse...

Lindo, lindo. Belo texto como sempre!
É legal ver a dor desse jeito, com essa intensidade!
Adorei!
Beijão, querido.
Desculpa não ter passado por aqui antes.