Sem

4 de junho de 2011




Sem você não tenho mais o que fazer
Não me resta mais vontade em ser
É como respirar a ausência do prazer
E tudo porque só sei gostar de você

Sem você não há mais o que sentir
Não há mais segredos a descobrir
E o coração nem mesmo consegue sorrir
Todo o amor que tenho pra exprimir

Sem você não sou mais eu
Só sei ver na minha frente um imenso breu
Escondendo o sentimento que sempre foi meu
Um amor que sempre será teu

Sem você não há mais razão
Não há motivos para eu ter emoção
Amar-te é o que faz criar o meu chão
É o que faz pulsar o meu coração.

-
Para alguém especial.





Aspas do Autor: O título do poema é Sem, e esta é a postagem de número cem (100). Como vocês podem ver fiz um leve jogo de palavras com o título (risos). São cem postagens feitos com o amor característico que há em mim. Cem textos sem ela (em presença física). E vocês não sabem como é difícil mesmo assim exprimir o encanto em mim nas palavras deixadas aqui. No mais outro mês começou. E, portanto, quero aqui recomendar um blog que tenho no meu coração. A dona dele tem amor transbordando, tem sensibilidade, doçura e muita beleza. As palavras são sentimentos puros. Esta de quem falo é a Cáh, do blog "A sombra do Mar". Uma pessoa que gosto muito. Vale muito a pena lê-la. É como se afogar na mansidão de um carinho singelo e eterno. Não há coisa melhor. Uma ótima semana a todos.

12 comentários:

Monique Premazzi disse...

Quando não temos aquela pessoa que amamos, nada faz sentido, tudo é voltado para ela e a saudades machuca. Precisamos loucamente dessa pessoa, como se fosse a última vez. É estranho, mas já ficou normal de tanto que aparece na nossa vida.

Amei o poema, Ale. Ficou lindo! Adorei o jogo de palavras que fez com o "sem". Você é demais!

Beijinhos, se cuida s2

Evelyn Dias disse...

Oi, gostei do seu poema. Parabéns pelo talento. Estou seguindo o blog. Até mais, tenha uma ótima semama.

Flor de Lótus disse...

Bom dia,Alf!Lindo e triste poema, difícil se feliz quando não temos por perto aquela pessoa que queremos tanto,mas chega uma hora que a gente cansa, não sei bem te dizer como é o processo,mas eu passei pro algo assim.Uma hora tu te dá de conta que é preciso seguir em frente e ocnfiar no destino, que algo melhor irá aparecer lá na frente.
Beijos e uma ótima semana!

Bandys disse...

Oi Alexandre,

Lindo. Sem a pessoa que amamos a vida fica sem cor, sem sabor...
Fica sem noite e sem sol..

E é la na tua alma que meu corpo canta, que meus ouvidos param pra te escutar,que minhas mãos desenham teus desejos mais bonitos.
É la na tua alma que te absolvo de qualquer crime.

Vim trazer algumas palavras e aproveitar pra te dizer que tambem te adoro, moço!

Um beijo no teu ♥

Anônimo disse...

Meu amigo, me diga, como você está?

Anônimo disse...

Alexandre!!
Mas que surpresa, e que surpresa bonita!
Em primeiro lugar, parabéns pelo Cem e pelo Sem, rs... vc tem alegria até mesmo quando as palavras querem demonstrar um cadinho que seja de dor, ou saudade, ou falta.
E pela indicação, e pelas palavras tão bonitas, e pelo carinho que tem por mim eu te digo: Gosto tanto de ti!
Muito obrigada, por tudo e qualquer coisa.


Um beijo


Cáh

. disse...

eiii Ale!
gostei desse texto tbm
pode mandar os texto para: elnaracabral@hotmail.com
bj

Luzia Medeiros disse...

Quanta doçura em poucas palavras, quando falamos em amor é assim, as palavras envadem o peito.
Beijoss!!!

Alien disse...

Eu sempre digo que amores nao correspondidos resultam em maravilhosos poemas, como esse seu. Sem quem amamos nao dá nem vontade de continuar vivendo mais, quem dirá o resto!

Muito legal o jogo de palavras com postagem número 100! E que sorte do priviliegiado "alguém especial"

Beijokas Ale!

Isabel Lautenschlager Santana disse...

Amei o seu blog, parabéns.
Deixo o blog Belas Artes Médicas.

Hellen Caroline disse...

é como se metade de você,já não estivesse mais...
Lindo e profundo teu poema!
Parabéns.
Beijos e um ótimo fim de semana pra ti!!

Tempestade disse...

Não é preciso escrever muito, basta que se escreva pouco e com muito significado.

lindo poema.

Abraços

Nina