Aquarela

03/03/2012




No ar se transfiguram soneto e alegria
Como arco-íris, na vida uma aquarela
Pólen teatral que esvoaça na calmaria
Cores que bailam à luz de vela

Sublime despertar, azul claro pra sonhar
Terno canto no ar, verde para acreditar
Ávido pulso do organismo, amarelo no olhar
Canto e sinfonia, vermelho sangue do amar

Aquarela de emoções, soltas no entardecer
Que se colorem pelos mistérios noturnos
E hipnotizam, no seu seio deixam padecer
Pálidos e taciturnos

Na policromia dos desejos
Um prisma pelo ar renascido
Como explosões em um cortejo
Luz branca, no vale amanhecido

Ainda há esperança pra sugar
Festival de cores a bailar
Doces e belas, perfis de aquarela
Emitem amor, no olhar da cinderela


  

Aspas do Autor: Este poema foi escrito em 2008, porém ele é inédito. Eu nunca o divulguei, e hoje revirando o baú, lá estava ele. Reli e me encantei. Talvez porque tenha cores (risos). É estranho, mas nunca quis postá-lo. Não sei bem o porquê. Talvez porque não o ache um dos melhores poemas que já tenha escrito. Enfim, hoje decidi publicá-lo. Espero que gostem. No mais, as cores aos poucos vão retornando... Mesmo que no momento eu esteja sofrendo de uma dor aguda na coluna e esteja quase adoecendo de tanto pegar chuva...(risos)

11 comentários:

Fred Caju disse...

Todo baú tem uma pérola que passa despercebida por alguns anos.

Anónimo disse...

Terno poema, onde as cores, as luzes e as expresssões se misturam, para dar eloquência ao autor e ao olhar de sua cinderela.

Grata pelo seu comentário.

Bandys disse...

Lindo Alê!

uma aquarela bela, suave,
que rompe o espaço
como doce ave,
não cai por um triz os desejos,
cheio de graça;
o rosto da atriz...

Aqui no caso a cinderela que carrega no olhar a beleza do amor.
Nossa misturei dudo, mas sei que vc entendeu, rs! Eu sei!

Mudei la tambem

Beijos e uma semana cheia de encantos magicos no seu coração.

Monique Premazzi disse...

Ainda bem que você resolveu postar esse poema. Ele está lindo, como qualquer outro que você faça. Alias, sou suspeita pra dizer qualquer coisa sobre seus textos.

As emoções que as cores passam para nós é bem maior do que podemos acreditar. Somos capazes de descrever várias coisas atraves delas.

Beijos,
Monique <3
http://www.secretsofalittlegirl.com/

Anônimo disse...

Tem uma musica linda do Caetano, na qual ele pergunta: "quais sao as cores que sao suas cores de predileção?". #ficadica.

Miksileide P disse...

Sim, as palavras têm cores. Cores de um ar que só conseguimos ver quando fechamos nossos olhos. Cores de quem lê nas entrelinhas, de quem sente o invisível ...
Muitas aquarelas, de todas as cores ...
Lindo poema!
Sopros de luz...

Manu Lima disse...

De vez em quando resgato alguns meu também.

Beijos

Unknown disse...

Acho incrível achar coisas que escrevi tempos atrás...
Eu sempre penso: "Pooxa! Nem parece que foi eu que escrevi!" rsrs

Mas adorei o poema!
Cheio de cores e vida!

Desculpa o sumiço!
:)

Bjkas

Blog Love In Red disse...

Olá, feliz com sua visita no Love in red. Bem, que maravilha este blog, bem do jeito que gosto. Essa prova poética me fez ter uma idéia de post, belas palavras, e uma reflexão encantadora.

É como uma bela tela pintada, não á muito o que se falar, apenas admirar, na hora não consigo expressar tudo, depois de refletir é que surgem um belo comentário.

Mas, que bom que compartilhou tal palavras, seria um desperdício guarda-las, demorou em, mas, talvez agora era o momento certo.

ps;Moro em Jipa, que bom ter mais um blogueiro de RO, conheço algumas daqui, Jaru, Vilhena e PVH. Beijo (:

Luzia Medeiros disse...

A vida é assim mesmo, viu Ale. uma aquarela linda, suave. Nós podemos pintá-la de todas as cores, principalmente as da alegria.

Beijão no coração.

Heitor Lima disse...

Ah, te composição minha que eu também acho ou lembro meses ou anos depois e fico vislumbrado. HEHE' Cores são demais >.< Aqui também tá chovendo. O dia todo. :P
Fiquei feliz que gostou lá das músicas.
Abração :)